quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Super-heroína, uma mulher maravilha!

As vezes tenho vontade de ser uma super-heroína. Sim, dessas de quadrinho que saem voando por aí combatendo o crime. Gostaria de ser uma mistura da Mulher-Maravilha com a Jean Grey do X-Men, e só para constar, eu teria (na verdade eu tenho) cabelo vermelho. Mas acho que usaria algo mais confortável, um short ou uma bermuda, tenho a impressão que esse collant fica entrando na bunda, um tomara-que-caia também não é lá muito confiável, uma camiseta vai bem, a bota eu acho uma boa desde que seja sem salto, iria atrapalhar um pouco e os meus joelhos não agüentariam muito tempo, cabelo solto cai no rosto e tal, usaria algo para prendê-lo, brinco tem que ser pequeno porque pode enroscar na roupa do inimigo e aí já viu né, maquiagem a prova d'ágüa é claro, não quero ficar igual um panda se pegar uma chuva, é melhor não usar anel, pulseira, colar, um perfuminho fresquinho com uma ótima fixação cai bem, depilação a laser também, imagina combater o crime com a axila cabeluda, não dá, e quero folga quando estiver naqueles dias, um salário compatível com a profissão e adicional de periculosidade e insalubridade, sabem como é, vou lidar com armas de fogo e me esconder em lugares nada higiênicos como banheiro masculino de boteco. Humm, o que mais? Preciso também de protetor solar e óculos de sol, isso é o mínimo, deveria ter vales com direito a limpeza de pele gratuita porque com essa poluição a pele fica um nojo. E coisas básicas como hospedagem gratuita com direito a refeição, ou vocês acham que eu vou voar do Rio a Salvador e não ficar cansada ou com fome? Não posso esquecer do vale-compras para roupas básicas, afinal não dá para fazer mala ao receber um chamado urgente né, além disso, o tempo pode mudar heroína também sente frio, bem, pelo menos eu sinto. As unhas! Como pude me esquecer? Sempre impecáveis porque não quero fazer feio quando algum paparazzi ou cidadão curioso tirar uma foto de perto. Eu também quero usar uma máscara, aquela coisa de herói sem identidade, sair na rua sem ser reconhecida, assim evito o risco eminente de levar uma bala pelas costas, apesar do meu poder de invencibilidade e cura, levar um tiro não deve ser nada agradável, imagino que doa muito.
Então, será que rola?

3 comentários:

Kérow More Ice disse...

AMEI SEU TEXTO! Tá aí, vou analisar como eu seria se fosse uma super heroína e te conto.

Iva_uva disse...

AMEI!!!!!!!!!!!
Eu fico fascinada com teu estilo!
BJs, flor!

Mari disse...

Fico feliz meninas! Obrigada. :-)